Greve estadual leva alunos para o sistema de educação privado - Colégio Drummond Cianorte

NOTÍCIAS

Greve estadual leva alunos para o sistema de educação privado

Greve estadual leva alunos para o sistema de educação privado

28 MAI DE 2015

Com praticamente um bimestre perdido e as férias de inverno e verão parcialmente comprometidas, a greve dos professores estaduais já tem gerado uma série de reflexos no sistema educacional no Paraná. Em Cianorte, por exemplo, de fevereiro até o final de abril, as escolas particulares registraram um aumento de 5% no número de alunos - são estudantes da rede pública que migraram para o sistema privado em decorrência da paralisação das aulas nos colégios mantidos pelo Estado.

Muitos desses alunos, segundo apontou diretores e professores das escolas particulares, são estudantes do terceiro ano do Ensino Médio que optaram pela educação privada para não perder o ano letivo e o calendário dos vestibulares programados para os próximos meses. No entanto, a greve atinge também às universidades estaduais e algumas dessas instituições já anunciaram a suspensão do processo seletivo e até mesmo do calendário acadêmico - como fez a UEM (Universidade Estadual de Maringá) e a UEL (Universidade Estadual de Londrina).

Além do chamado ‘terceirão’, a migração tem sido muito acentuada também no Ensino Fundamental, principalmente, os alunos que estão no 9° ano. “Fizemos matrículas até meados de abril, que é período máximo que podíamos aceitar novos alunos, justamente por questão de conteúdo. De fato um número expressivo de novas matrículas em um curto espaço de tempo realmente nos levar a crer que é um reflexo da greve”, comentou a diretoria pedagógica do Colégio Sesi, Jakeline Plácido Marcon.

Assim como Jakeline, o professor e diretor do Colégio Drummond de Cianorte, Vanderlei Alves Ferreira, o Vander, também frisou a preocupação com o conteúdo pedagógico dos alunos que migraram da rede pública para o sistema privado. Ele destacou que na tentativa de repor as aulas perdidas, a escola ofereceu uma espécie de monitoramento no contraturno para atendimento com professores.

“Há certa dificuldade em acolher e repor todo o material perdido até agora. Mas, o que lamento é o fato de saber que ganhei uma turma de novos alunos, por um sistema público precário, sendo que ele [sistema estadual] deveria ser exemplo. Mesmo com essa migração, os alunos da rede privada representam somente de 6% a 7% da população estudantil de Cianorte. Enquanto isso, aqueles pais que não podem pagar por uma escola particular ficam à mercê das negociações”, lamentou Vander.

No meio desta indefinição, o que os diretores questionam são de que forma, e como esses alunos da rede pública poderão repor o conteúdo perdido até o momento? Ademais, o calendário do ano letivo de 2016 poderá ser comprometido? A reportagem da Tribuna vai trazer, nas próximas edições, matérias especiais sobre o assunto. Acompanhem.

FONTE: TRIBUNA DE CIANORTE. - Disponível em: www.tribunadecianorte.com.br/cidades/2015/05/greve-leva-alunos-da-rede-publica-migrarem-para-o-sistema-privado/1406890/